domingo, 13 de dezembro de 2015

Eu tenho estilo?



Eu tenho estilo?

Dia desses, li uma notícia em que uma atriz dizia que estava adorando fazer uma personagem de cara lavada, já que detesta maquiagem. Eu também não gosto, aliás, gosto, mas não todo dia. De vez em sempre me rebelo e saio sem nada, de cara lavada, mais para protestar contra essa ditadura que escraviza as mulheres: cabelo sempre arrumado (fios brancos nem pensar, a menos que seja por conta de alguma tintura da moda), tem que ser magra, sarada, barriguinha, afe! E bem arrumada e cheirosa, mesmo no fim de uma jornada estafante.

Então, tá. Tenho uma bermuda de um tecido que parece náilon, tipo pula-brejo, que se pode embolar e colocar na gaveta, depois tirar e vestir. É dessa que gosto. E visto muito. Vou ao supermercado, ando pela rua, vou a lojas. Se não quiserem me vender por achar que não tenho dinheiro (sempre nos avaliam pela aparência), paciência, bato-me em retirada e vou pra outra loja. Não me submeto. Só me arrumo, se tenho vontade. Claro, não vou a uma festa mal arrumada, porque seria menosprezo à festa e ao dono da festa.

Outro dia, fui a um banco em que tenho conta. Quando a agência era comum, eu ficava constrangida de ser atendida numa sala reservada, por ver os demais naquele filão. Agora, a questão é outra. Cada sala é reservada: Agência Estilo. Cheguei lá, com minha bela bermuda pula-brejo, pois a tal agência fica perto de minha casa, e dirigi-me à atendente. A primeira coisa que ela fez antes que eu abrisse a boca foi perguntar: “A senhora tem conta aqui?” Eu quase respondi: “Não, estou aqui porque não tenho o que fazer e gosto de passear em banco.” Informei o número e, quando ela acessou o arquivo, disse que queria talão de cheques e fui para um caixa eletrônico. Ficar ali esperando uma vida, só por talão de cheques?
Mas, surpresa, a palavra estilo, que passei a abominar, foi usada em relação a mim, numa loja. Vestia a mesma bermuda e vi uma roupa bonita numa vitrine. A vendedora me viu, abriu a porta e eu entrei. Perguntei sobre a roupa, mas não tinha meu número. Ela, então, disse: Temos outras peças que a senhora pode gostar. Eu disse: Será? E ela: São roupas muito bonitas e a senhora tem estilo.

E o que é “estilo”? Entre outros significados, o Houaiss registra, com sentido figurado: “conjunto de tendências, gostos, modos de comportamento característicos de um indivíduo ou grupo” [... ] “elegância no vestir”.

Pois é. Eu não estava elegante, coisa nenhuma. Ou estava muito esquisita? O que ela quis dizer com isso?
Sem esperar minha conclusão pessoal, reflexiva ou intelectiva, ri, agradeci e saí.
Estilo, eu? Como aquele banco? Eu, não...


Maria Francisca, novembro/2015.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Prendas domésticas?


Chego ao consultório do geriatra, tiro a senha e fico ali como boba, de olho naquele monitor, onde se visualizam os números. Parece congelado. A minha senha é 101, mas a 96 não arreda pé do vídeo.  Olho, olho, e nada. É o bastante para embaralhar tudo na minha cabeça e começar a viagem para o mundo da divagação.
Escuto uma voz que parece vir de muito longe: 101! 101! Uma senhora, próxima diz: Não é a sua?
Hã? Levanto-me apressada e chego perto da mesa da atendente. Vou respondendo automaticamente às perguntas costumeiras: endereço, telefone etc etc.

Profissão! Profissão! Hã? Mulher Maravilha! Ops, desculpe: prendas domésticas. A moça ri, disfarçadamente, e repete baixinho balançando a cabeça, naquele característico gesto de incredulidade ou de desprezo, sabe-se lá: Prendas domésticas... Sem me olhar, diz: Agora é só esperar.
Acho sempre engraçada esta frase: “Só esperar”. Esse “só” quer dizer o quê, mesmo? Que é pouco? Que nada! Lá fiquei mofando naquela cadeira por um bom tempo, que não medi, porque me pus a rir, sozinha, raciocinando (meditando, ou nas alturas...) sobre a minha profissão: Prendas domésticas...
Mulher que não trabalha fora, hoje, está fora... literalmente, para usar expressão da moda (todos dizem “literalmente”, mesmo quando  a questão não é literal). Fora do mundo, fora dos círculos de conversa, fora da vida, enfim. É isso que pensam as outras mulheres. Ela própria, a dona de casa, acaba se sentindo assim. É como se a pessoa fosse inútil.
Pois é, dona de casa bissexta, resolvi dizer, naquele momento, que era de prendas domésticas, eufemismo que encontrei na hora, usado há muitos anos e que sempre detestei. Aliás, gosto das palavras exatas. Por exemplo: Velho. Por que velho tem que ser terceira idade, melhor idade? É feio ser velho? Deixa-se de ser velho quando se diz diferente?
E vi, mais uma vez, que ser dona de casa não é fácil e eu não tenho as tais prendas domésticas, de jeito algum.. Resolvo tocar piano, lembro: Ai, a máquina parou de funcionar. Será que a lavagem acabou? Levanto-me e vou ver. E já está na hora de fazer almoço, porque o neto chega do Inglês e tem que almoçar rápido para ir pra escola. Coloco a carne para assar e vou cortar verdura pra salada. Distraio-me, com as verduras, até que sinto o cheiro de fumaça: Ai, meu Deus, a carne está queimando. O forno estava muito quente...Vou tirar do forno e, aí, queimo os dedos na pressa. Tarde demais... E as plantas que ainda não foram molhadas? E minha palestra que não terminei de preparar? E a barra da calça do neto que ainda não fiz? E a crônica que não terminei? E a reunião do TJC? Afe!
Tenho quer fazer outra carne depressa. Não, vou fazer ovos mexidos. Mas o arroz está precisando de um pouco mais de água. O telefone toca e o interfone também. Corro a atender. Vizinha querendo subir para falar de algo. Peço pra deixar pra depois. O arroz já está queimando também. Chi! Estou atrasada.
E assim, passo o dia, correndo pra lá e pra cá.
Então, tenho prendas domésticas? Ou sou “Mulher Maravilha”?
Tentando fazer tudo e nada fazendo direito?
Que nada, sou, mesmo, é uma abusada!
Maria Francisca – 01.07.2015, após receber a notícia de que não haveria aula de música, resolve tocar piano e não consegue porque há muitas tarefas domésticas pra realizar.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Para o avião que quero descer


Um acontecimento inusitado naquela quarta de manhã.

Viagem para Salvador resolvida, passagem nos eixos, check in realizado via internet, em casa, como manda a boa regra da vida moderna, e lá vamos nós para o aeroporto.
Despachadas as bagagens, chamada para embarque, apresentamo-nos devidamente na fila de prioridade e seguimos para o avião que vimos no pátio. Conosco, por puro acaso, uma senhora que conhecíamos e que ia também para Salvador. 

Sentados, acomodados, eis que chega um senhor para o assento onde já estava meu marido. Checamos os números, ambos corretos, acionados os comissários, vimos que o nosso avião era outro. Tomamos o bonde errado...ô, amolação!

Saímos depressa, sob gozações de alguns passageiros conhecidos, mas sem achar graça alguma naquele episódio. Ao contrário, danados da vida com a falta de informação que beira a falta de respeito dessas empresas aéreas com os passageiros. No momento do embarque, e fomos os primeiros daquela fila, o único avião à vista era aquele que tomamos. Depois me lembrei de que aeronave certa estava no pátio, mas com um enorme caminhão na frente. Claro, nunca iria me imaginar embarcando ali. No momento, não tive dúvidas, encaminhei-me ao outro, levando a erro meu marido e a outra senhora.

Pois bem. Detectado o equívoco, seguimos para a outra aeronave, desta feita bem visível, e, ao entrar, já refeita da raiva que, graças a Deus, é de má qualidade, porque dura muito pouco, perguntei bem alto aos comissários que se encontravam aa porta: Como já pegamos um bonde errado, logo ali, esse avião vai para Salvador?

Os passageiros que estavam nas poltronas dianteiras caíram na risada. E nós também.
Acomodei-me, como pude, naquele espaço mais do que apertado e sosseguei meu espírito.

Entretanto, como a imaginação só cessa quando quer, de repente, ri sozinha, ao ver nitidamente a confusa cena: em pleno voo, ouço aquele tradicional bem-vindos a bordo do voo 1230, com destino a Guarulhos e, em seguida, meu brado aflito: Para, para, quero descer. Não quero ir pra Guarulhos. Vou pra Salvador. Peguei o avião errado, gente, depressa...


Maria Francisca – maio de 2015.

terça-feira, 28 de abril de 2015

PACTO COM A VIDA

"Fiz um acordo com o tempo: nem ele  persegue, nem eu fujo dele".  Mário Lago.

Seu telefone?  Seu CPF?  Seu CEP?

E assim foi seguindo o interrogatório de uma vendedora numa loja, onde comprei uma simples bijuteria.

Antes eu me negava a fornecer meus dados, uma chateação, mas vi que era mais trabalhoso negar. Em alguns estabelecimentos é uma exigência para emissão de nota fiscal. Mas ali... Querem atormentar os clientes com os torpedos, anunciando as “maravilhosas” promoções.  Antes de terminar o “interrogatório”, só para implicar, pergunto: Para que servem esses dados? Para seu cadastro. E o que você faz com meu cadastro? Uso quando você voltar aqui, responde. E quem falou com você que eu vou voltar? A pergunta fica no ar. Ela continuou a perguntar e eu a responder obedientemente. Nem ela sabia a finalidade daquele ritual. Acostumou-se a fazer aquilo, como lhe mandaram, e pronto.

Por fim, a moça perguntou a data do meu nascimento. Antes que eu respondesse: Não, não, é só dia e mês. Porque muita gente não gosta de falar a idade. Eu não tenho esse preconceito, moça. Nasci dia 11 de outubro de 1948, tenho 66 anos de idade. Ela riu. E eu saí da loja.

Caminhando pela rua, fiquei pensando nisto: Por que será que as pessoas, principalmente as mulheres, não gostam de revelar a própria idade? Medo? Mas se a idade está à vista... A menos que se faça uma cirurgia plástica geral, a idade sempre aparece. Aliás, acho até que nem assim. Aqui e ali, vai ficar algum rabo. E não adianta tratar de terceira idade, melhor idade, porque a velhice está aí a merecer cuidado e respeito, não preconceito.

Sou velha, sim, e não me preocupo. Assumo minha velhice sem medo. E ainda proclamo minha idade para quem quiser ouvir. Claro, cuido da aminha saúde, da minha aparência, gosto de roupas bonitas, mas sem os exageros da juventude, que já se foi faz tempo. Não fujo do tempo, como disse Mário lago, mesmo porque de nada adiantaria. A velhice vem, quer queira, quer não.
Fato é que amo a vida e já fiz um pacto com ela. Conheço quase todas as cláusulas, menos uma: a do término do contrato. Por que fiz um pacto assim? Conheço o Dono da Vida e confio nEle.  E, no final, ganho a Vida Eterna.

Vou vivendo alegre, como sempre fui, e ela aqui, comigo, também feliz, minha companheira, que me sustenta e me conduz. No dia em que ela não me quiser mais, viajo tranquila. Estou aprendendo o caminho, pouco a pouco.

Não mais vou ter esse problema de pacto, de velhice, de beleza, de cuidar da saúde, nada disso. Vou morar num lugar distante, numa casa diferente.  Lá nessa Casa, onde passarei a viver, tem muitas moradas e todos são saudáveis e felizes (Jo 14, 1-2). Claro, se eu cumprir todas as cláusulas do contrato. A mais difícil, mas a mais importante, pois dela dependem as demais é esta: Amai-vos uns aos outros como eu vos amo (Jo 15,12). Dia a dia, esforço-me, mas, humana demais, caio, levanto, tento de novo e vou levando. Espero poder cumprir a minha parte no contrato.

E vou caminhando nesta estrada que, como diz Fábio de Melo, não fica no chão sob os meus pés, mas dentro de mim mesma.

Maria Francisca – março de 2015, tempo quaresmal.


sexta-feira, 24 de abril de 2015

CAUSOS - TERCEIRO DA SÉRIE

Água com adoçante acalma?

 
Para Elzimar
Eu era titular da 6ª Vara de Vitória, mas atuava no tribunal, porque o TRT-ES, na época, era composto de apenas seis juízes de carreira e dois classistas e não podia ser dividido em turmas. A lei proibia.  Havia sempre necessidade de um juiz convocado para dar conta da imensidão de processos, principalmente quando um dos membros titulares se afastava em gozo de férias ou em licença médica.
O gabinete dos juízes convocados, que nem merecia o nome de gabinete, funcionava num quase porão, sem um mínimo de conforto. Tinha até mofo. Nem tudo era ruim, porém. As servidoras eram ótimas, todas comprometidas com o trabalho que realizavam, embora em condições mais do que adversas. E o trabalho rendia.
Um dia, analisava, como relatora, uma ação rescisória, com número expressivo de autores, todos servidores de determinado órgão público. O objetivo buscado era rescindir uma sentença que lhes havia negado o pedido de adicional de insalubridade.
A decisão impugnada julgara improcedente o referido adicional, porque a perícia realizada concluíra pela inexistência de qualquer agente agressivo no ambiente de trabalho. Os fundamentos da ação rescisória eram simples, aliás, simplórios, e, portanto, desprovidos de força processual. Já à primeira leitura, previ o insucesso daquela ação.
Pois bem. O órgão público, no limiar de nova gestão, resolveu fazer um acordo para pôr fim à ação rescisória e antecipou todo o pagamento ao advogado.
Ele chegou ao gabinete dos juízes convocados muito feliz e, depressa, dirigiu-se a mim, mostrando o termo do acordo. Li o documento com atenção e disse: Doutor, desculpe, mas não posso homologar um acordo desses e tenho certeza de que os demais colegas vão acompanhar meu voto. E expliquei os motivos, inclusive a ilegalidade do ato.  O advogado nada disse. Sentou-se e ficou ali quieto, olhando o nada, pálido como cera.  
Preocupada com a mudez e com a aparência  do advogado, pedi a uma servidora  para buscar água com açúcar para ele, no andar de cima, já que o gabinete, como disse, era desprovido de tudo. Enquanto isso, eu, patética, abanava-o com uma capa de processo, pois parecia em vias de desmaiar.
A servidora retornou bem depressa e o advogado tomou a água. Foi se acalmando, pouco a pouco, melhorou, agradeceu e saiu apressado.
Mal ele acabou de sair, a servidora, rindo, me disse: Dra. Francisca, eu não encontrava açúcar de jeito algum, então coloquei adoçante na água. Será que água com adoçante acalma?
Rimos as duas...
Maria Francisca -  abril de 2015.


domingo, 22 de março de 2015

Se sorrir, arrisca-se a ganhar um abraço.



Sou do tipo que cumprimenta todo o mundo. Basta que alguém olhe para mim. E um papo também não dispenso.  Uma colega me diz que eu tenho assunto até pra gente chata. Ora, por que não? Os mineiros não têm fama de bons de prosa?

De vez em quando faço experiências. Saio por aí cumprimentando todo mundo só para ver o resultado. Uns olham e respondem desconfiados. Outros respondem firmes.  Outros fazem cara de paisagem.  É que o mundo anda tão difícil e triste que pessoas fogem de pessoas. Talvez fosse melhor viverem sozinhas, só com seus aparelhinhos, tipo celular, para conexão com quem desejarem, sem necessidade de ficar perto de gente. Ou com seus cachorrinhos. Olhar nos olhos compromete.

Outro dia, andava no calçadão com meu marido, quando uma moça olhou-me, sorridente. Cumprimentei-a e meu companheiro perguntou-me quem era. Eu disse que não sabia. E, ele: Você é engraçada. Cumprimenta todo mundo e nem sabe quem é. Basta olhar pra você. Se sorrir, então, arrisca-se a ganhar um abraço... Respondi: Depois que li aquele texto sobre o abraço, até que seria bom.  Eu ficaria com dois corações, como fala o matuto da crônica.

A propósito, li no jornal “A Gazeta” o seguinte comentário de Jorge Vidor: “Nada menos que 700 advogados trabalham hoje na Petrobras. Diante das confusões que envolveram a companhia, tem executivo lá pedindo parecer jurídico até para dar bom dia”. Claro que é uma brincadeira, numa situação esdrúxula, mas serve para ilustrar nosso dia a dia, com as pessoas com medo de tudo. Que mulher é essa me cumprimentando? Que será que ela quer? Assim, a diferente ou a esquisita sou eu.

Se é preciso paz pra poder sorrir e amor pra poder pulsar, como diz a bela música de Almir Sather, é muito difícil cumprimentar e, mais ainda, dar um abraço, porque, hoje,  a paz está só no dicionário e o amor é líquido.

Melhor e sem perigo algum é o contato apenas virtual, onde posso falar do que quiser, mostrar-me feliz quando ninguém vê minha cara de sofrimento,  colocar um tal de kkkk, de algo que nem graça achei, exibir meu último penteado, minha viagem maravilhosa, inventar coisas etc, etc.

Perigo, perigo mesmo, é o real, é o pé no chão, é olhar nos olhos, é comprometer-se com as pessoas.

Sou, então, a esquisita. De outro tempo. Do tempo real. Quem sorri para mim, arrisca-se, mesmo, a ganhar um abraço.

Maria Francisca – outubro/2014.

 

segunda-feira, 9 de março de 2015

Castelo e Sonhos



Hoje vi um castelo. Daqueles grandes, com direito a torres, prisioneiros, ou melhor, prisioneiras (porque as torres sempre tiveram prisioneiras, por obra e graça de alguma bruxa). Tinha também Rapunzel, ou seja, era um castelo de verdade. E estava escrito: “Castelo”, pra tirar qualquer dúvida.

O detalhe é que Rapunzel naquele momento não estava à vista. Talvez estivesse com medo daquele mundão de gente que passava em frente ao castelo. Ou talvez dormindo, porque ainda era bem cedo.

Ia eu para o aquecimento dos Passos de Anchieta, saindo de Barra do Jucu para chegar a Ponta da Fruta, num solão de rachar, ou melhor, de esfolar qualquer pele desprotegida. E ali, bem ali naquela rua, surge aquele castelo.  Sempre tive uma queda por Rapunzel, apesar de nunca ter cultivado tranças como uma das minhas irmãs que, infelizmente pra nós e felicidade pra ela, espero, já está no Infinito.  As tranças dela por certo dariam para levantar um príncipe, tão grandes e fortes. Era um belo cabelo preto, que ela usava enrolando as tranças em volta da cabeça, como uma coroa. Só que um dia, pena, voltou de uma viagem a Bom Jesus da Lapa sem os cabelos. Com eles curtinhos. Resultado daquelas famosas promessas que as mães faziam e as coitadas das filhas precisavam cumprir, mesmo contra a vontade. Acabou a força, como Sansão, e foi também o fim da beleza daqueles cabelos pretos e brilhosos. E, pra completar, adeus minha motivação pra sonhar com Rapunzel. 

Fiquei olhando o castelo e me lembrando dessas coisas, das bruxas e princesas que povoaram minha infância e eis que surge Fiona, ainda princesa, no colo do seu Shrek. Uma princesa muito feia, nem chegava aos pés da Rapunzel. Mas, aí, acordei para minha realidade: as princesas eram bonitas porque eu as via com os olhos da infância, da inocência, quando tudo é bonito e colorido. Pior é que Fiona ficou ainda mais feia depois pra se casar com seu príncipe mais do que feio que, ela, certamente, achava bonito. O amor, sempre o amor, vendo as coisas com outro olhar.
E aí veio o burro, com aquela implicância toda, aquela amolação, e eu não quis mais ver princesa, nem príncipe, nem Castelo, porque perto de mim passavam bravos lutadores (contra moinhos de vento), caminhando, caminhando, para desafiar não sei o quê e eu os segui, novamente, porque Dom Quixote eu sempre fui e acho que vou continuar sendo, mesmo sem querer. Então, ando, ando, pareço um judeu errante, como diria Adélia Prado. Não porque penso estar minha saúde no calcanhar, mas porque gosto desse exercício diário, enquanto vou reparando aqui e acolá, seja gente, sejam castelos ou simples casinhas com seus cachorros, pequenos ou grandes, mas sempre nos dando sustos. Caminhei a manhã inteira e parte da tarde. Cansada e feliz da vida.
Retorno a casa e chego à varanda, para ver o mar com suas enormes ondas a cair na areia com estrondo. Olho para cima e fico encantada com o colorido do céu, cheio de parapentes flutuando no ar.

Ai, meu Deus! Que vontade de voar!
E ali fiquei a  sonhar...
Maria Francisca – 21 de fevereiro de 2015.

Ocorreu um erro neste gadget