terça-feira, 28 de abril de 2015

PACTO COM A VIDA

"Fiz um acordo com o tempo: nem ele  persegue, nem eu fujo dele".  Mário Lago.

Seu telefone?  Seu CPF?  Seu CEP?

E assim foi seguindo o interrogatório de uma vendedora numa loja, onde comprei uma simples bijuteria.

Antes eu me negava a fornecer meus dados, uma chateação, mas vi que era mais trabalhoso negar. Em alguns estabelecimentos é uma exigência para emissão de nota fiscal. Mas ali... Querem atormentar os clientes com os torpedos, anunciando as “maravilhosas” promoções.  Antes de terminar o “interrogatório”, só para implicar, pergunto: Para que servem esses dados? Para seu cadastro. E o que você faz com meu cadastro? Uso quando você voltar aqui, responde. E quem falou com você que eu vou voltar? A pergunta fica no ar. Ela continuou a perguntar e eu a responder obedientemente. Nem ela sabia a finalidade daquele ritual. Acostumou-se a fazer aquilo, como lhe mandaram, e pronto.

Por fim, a moça perguntou a data do meu nascimento. Antes que eu respondesse: Não, não, é só dia e mês. Porque muita gente não gosta de falar a idade. Eu não tenho esse preconceito, moça. Nasci dia 11 de outubro de 1948, tenho 66 anos de idade. Ela riu. E eu saí da loja.

Caminhando pela rua, fiquei pensando nisto: Por que será que as pessoas, principalmente as mulheres, não gostam de revelar a própria idade? Medo? Mas se a idade está à vista... A menos que se faça uma cirurgia plástica geral, a idade sempre aparece. Aliás, acho até que nem assim. Aqui e ali, vai ficar algum rabo. E não adianta tratar de terceira idade, melhor idade, porque a velhice está aí a merecer cuidado e respeito, não preconceito.

Sou velha, sim, e não me preocupo. Assumo minha velhice sem medo. E ainda proclamo minha idade para quem quiser ouvir. Claro, cuido da aminha saúde, da minha aparência, gosto de roupas bonitas, mas sem os exageros da juventude, que já se foi faz tempo. Não fujo do tempo, como disse Mário lago, mesmo porque de nada adiantaria. A velhice vem, quer queira, quer não.
Fato é que amo a vida e já fiz um pacto com ela. Conheço quase todas as cláusulas, menos uma: a do término do contrato. Por que fiz um pacto assim? Conheço o Dono da Vida e confio nEle.  E, no final, ganho a Vida Eterna.

Vou vivendo alegre, como sempre fui, e ela aqui, comigo, também feliz, minha companheira, que me sustenta e me conduz. No dia em que ela não me quiser mais, viajo tranquila. Estou aprendendo o caminho, pouco a pouco.

Não mais vou ter esse problema de pacto, de velhice, de beleza, de cuidar da saúde, nada disso. Vou morar num lugar distante, numa casa diferente.  Lá nessa Casa, onde passarei a viver, tem muitas moradas e todos são saudáveis e felizes (Jo 14, 1-2). Claro, se eu cumprir todas as cláusulas do contrato. A mais difícil, mas a mais importante, pois dela dependem as demais é esta: Amai-vos uns aos outros como eu vos amo (Jo 15,12). Dia a dia, esforço-me, mas, humana demais, caio, levanto, tento de novo e vou levando. Espero poder cumprir a minha parte no contrato.

E vou caminhando nesta estrada que, como diz Fábio de Melo, não fica no chão sob os meus pés, mas dentro de mim mesma.

Maria Francisca – março de 2015, tempo quaresmal.


sexta-feira, 24 de abril de 2015

CAUSOS - TERCEIRO DA SÉRIE

Água com adoçante acalma?

 
Para Elzimar
Eu era titular da 6ª Vara de Vitória, mas atuava no tribunal, porque o TRT-ES, na época, era composto de apenas seis juízes de carreira e dois classistas e não podia ser dividido em turmas. A lei proibia.  Havia sempre necessidade de um juiz convocado para dar conta da imensidão de processos, principalmente quando um dos membros titulares se afastava em gozo de férias ou em licença médica.
O gabinete dos juízes convocados, que nem merecia o nome de gabinete, funcionava num quase porão, sem um mínimo de conforto. Tinha até mofo. Nem tudo era ruim, porém. As servidoras eram ótimas, todas comprometidas com o trabalho que realizavam, embora em condições mais do que adversas. E o trabalho rendia.
Um dia, analisava, como relatora, uma ação rescisória, com número expressivo de autores, todos servidores de determinado órgão público. O objetivo buscado era rescindir uma sentença que lhes havia negado o pedido de adicional de insalubridade.
A decisão impugnada julgara improcedente o referido adicional, porque a perícia realizada concluíra pela inexistência de qualquer agente agressivo no ambiente de trabalho. Os fundamentos da ação rescisória eram simples, aliás, simplórios, e, portanto, desprovidos de força processual. Já à primeira leitura, previ o insucesso daquela ação.
Pois bem. O órgão público, no limiar de nova gestão, resolveu fazer um acordo para pôr fim à ação rescisória e antecipou todo o pagamento ao advogado.
Ele chegou ao gabinete dos juízes convocados muito feliz e, depressa, dirigiu-se a mim, mostrando o termo do acordo. Li o documento com atenção e disse: Doutor, desculpe, mas não posso homologar um acordo desses e tenho certeza de que os demais colegas vão acompanhar meu voto. E expliquei os motivos, inclusive a ilegalidade do ato.  O advogado nada disse. Sentou-se e ficou ali quieto, olhando o nada, pálido como cera.  
Preocupada com a mudez e com a aparência  do advogado, pedi a uma servidora  para buscar água com açúcar para ele, no andar de cima, já que o gabinete, como disse, era desprovido de tudo. Enquanto isso, eu, patética, abanava-o com uma capa de processo, pois parecia em vias de desmaiar.
A servidora retornou bem depressa e o advogado tomou a água. Foi se acalmando, pouco a pouco, melhorou, agradeceu e saiu apressado.
Mal ele acabou de sair, a servidora, rindo, me disse: Dra. Francisca, eu não encontrava açúcar de jeito algum, então coloquei adoçante na água. Será que água com adoçante acalma?
Rimos as duas...
Maria Francisca -  abril de 2015.

Ocorreu um erro neste gadget