domingo, 22 de março de 2015

Se sorrir, arrisca-se a ganhar um abraço.



Sou do tipo que cumprimenta todo o mundo. Basta que alguém olhe para mim. E um papo também não dispenso.  Uma colega me diz que eu tenho assunto até pra gente chata. Ora, por que não? Os mineiros não têm fama de bons de prosa?

De vez em quando faço experiências. Saio por aí cumprimentando todo mundo só para ver o resultado. Uns olham e respondem desconfiados. Outros respondem firmes.  Outros fazem cara de paisagem.  É que o mundo anda tão difícil e triste que pessoas fogem de pessoas. Talvez fosse melhor viverem sozinhas, só com seus aparelhinhos, tipo celular, para conexão com quem desejarem, sem necessidade de ficar perto de gente. Ou com seus cachorrinhos. Olhar nos olhos compromete.

Outro dia, andava no calçadão com meu marido, quando uma moça olhou-me, sorridente. Cumprimentei-a e meu companheiro perguntou-me quem era. Eu disse que não sabia. E, ele: Você é engraçada. Cumprimenta todo mundo e nem sabe quem é. Basta olhar pra você. Se sorrir, então, arrisca-se a ganhar um abraço... Respondi: Depois que li aquele texto sobre o abraço, até que seria bom.  Eu ficaria com dois corações, como fala o matuto da crônica.

A propósito, li no jornal “A Gazeta” o seguinte comentário de Jorge Vidor: “Nada menos que 700 advogados trabalham hoje na Petrobras. Diante das confusões que envolveram a companhia, tem executivo lá pedindo parecer jurídico até para dar bom dia”. Claro que é uma brincadeira, numa situação esdrúxula, mas serve para ilustrar nosso dia a dia, com as pessoas com medo de tudo. Que mulher é essa me cumprimentando? Que será que ela quer? Assim, a diferente ou a esquisita sou eu.

Se é preciso paz pra poder sorrir e amor pra poder pulsar, como diz a bela música de Almir Sather, é muito difícil cumprimentar e, mais ainda, dar um abraço, porque, hoje,  a paz está só no dicionário e o amor é líquido.

Melhor e sem perigo algum é o contato apenas virtual, onde posso falar do que quiser, mostrar-me feliz quando ninguém vê minha cara de sofrimento,  colocar um tal de kkkk, de algo que nem graça achei, exibir meu último penteado, minha viagem maravilhosa, inventar coisas etc, etc.

Perigo, perigo mesmo, é o real, é o pé no chão, é olhar nos olhos, é comprometer-se com as pessoas.

Sou, então, a esquisita. De outro tempo. Do tempo real. Quem sorri para mim, arrisca-se, mesmo, a ganhar um abraço.

Maria Francisca – outubro/2014.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget