domingo, 22 de junho de 2014

CAUSOS – 1º DA SÉRIE



                                                       AQUELA JUÍZA É O CÃO

Na Justiça do Trabalho, como nos Juizados Especiais,  quando o autor não comparece à primeira audiência, o processo é arquivado.

Corria o ano de 1994. Antes da lei 11.280/2006 que deu nova redação ao inciso II do art. 253 do CPC quando acontecia situação de arquivamento, o novo processo ajuizado era sorteado e poderia cair em qualquer Junta ou Vara. Então, era possível escolher-se o juiz, ou melhor, era possível, pelo menos, recusar, por vias transversas, um juiz que não se desejasse para atuar no seu processo. Era só deixar arquivar e esperar novo sorteio, quando entrasse com novo pedido.

Eu era presidente da então da 3ª Junta de Conciliação e Julgamento de Vitória, mas como antes trabalhava em Linhares e logo que vim para Vitória, passei a ser sistematicamente convocada para atuar no Tribunal, muitos advogados só me conheciam de nome e isso provocava situações engraçadas.

Um dia, estava eu no elevador bem lotado e um advogado conversava com uma senhora, que entendi ser sua cliente. E dizia: Quando chegarmos ao andar da Junta, entro na sala de audiência, para ver quem é o juiz que está atuando, porque se for a juíza Maristela*, faço um sinal e você se manda, porque aquela mulher é o cão.  Eu ali escutando e com vontade de rir, premeditando o assombro que causaria a ele, quando descobrisse quem eu era.

Aí, o elevador parou num andar, um advogado me viu e me gritou de lá: Dra. Francisca, que prazer vê-la aqui! O coitado do advogado que acabara de falar aquele disparate, nem olhou pra trás. Saiu atropelando todo o mundo e se safou porta afora para se livrar de olhar para mim.

Acredito que nunca mais ele vai falar qualquer coisa em elevador.

* Nome fictício.

 

 

10 comentários:

  1. Moral da história: cuidado com o que fala... principalmente dentro do elevador... e sobretudo se v. for advogado e estiver no Tribunal! (rsrsrsrs) Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkk.... Fiquei aqui rindo muito do seu causo. Quem me dera poder ter escolhido a juíza de pequenas causas... Mesmo não falando com ninguém no elevador, seria interessante para o meu caso, uma que tivesse bom senso, mas... Acabei perdendo a causa por ela achar que não tinha provas o suficiente (isso pq tinha os cheques e o orçamento do pilantra), mas... Vamos voltar para o seu causo que é mais interessante, pois fico possessa e com muita raiva.
    Conversar alguns assuntos no elevador não é nada bom, correto?
    Beijos mil

    ResponderExcluir
  4. Amigos, grata pela leitura e pela amizade.

    ResponderExcluir
  5. A industria das ações trabalhista é uma realidade, "mas boca fechada não entra mosquito e nem sai confidências em elevador".Rs.

    ResponderExcluir
  6. A industria das ações trabalhista é uma realidade, "mas boca fechada não entra mosquito e nem sai confidências em elevador".Rs.

    ResponderExcluir
  7. A industria das ações trabalhistas é uma realidade."Boca fechada não entra mosquito e nem confidências no elevador". Rs.

    ResponderExcluir
  8. Maria Francisca: fazendo tour pelo seu blog e adorando...abraços carinhosos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer bom, Lia. Você é um amor! Grata, Bjs.

      Excluir

Ocorreu um erro neste gadget